O outono se aproxima e com ele aparecem as doenças clássicas da estação, como gripe, rinite, resfriado, otite, sinusite, faringite, amigdalite e bronquite. Para a Dra. Marina Noia, pediatra do Grupo Prontobaby, por ser uma época de queda de temperatura e chuva, é marcada pelo aumento da circulação de vírus no ar.

“Isso significa que o clima começa a esfriar, a umidade relativa do ar tende a diminuir e as crianças são as que mais sofrem. Durante o outono/inverno ocorre o que chamamos de “período de pico”, onde temos quedas bruscas de temperatura em um mesmo dia, poluição do ar aumentada, lugares que permanecem mais fechados e partículas que ficam em suspensão, o que favorece o aumento da circulação de vírus. A situação contribui para quadros de infecções respiratórias, como gripes, laringites, resfriados, sinusites, otites, bronquites, pneumonias. Crianças que têm alergias, como dermatite atópica, asma e rinite, sofrem um pouco mais“, explica a pediatra coordenadora da emergência do Centro Pediátrica da Lagoa.

Quando pensamos nos cuidados, é importante que os pais fiquem alerta com as crianças, mesmo que elas não tenham predileção para alergias. “Não sair muito cedo, pela manhã, ou muito tarde da noite de casa; manter a alimentação equilibrada com frutas, legumes e verduras; além da hidratação, são alguns pontos que melhoram a imunidade”, sugere a especialista ao aconselhar que objetos alvo de ácaros e poeiras também devem ser evitados, como cortinas, carpetes e bichos de pelúcia.

A limpeza da casa é importante para diminuir os riscos de contaminação por essas doenças. Portanto, a orientação é limpá-la três vezes na semana com aspirador de pó e os móveis com pano úmido. “Lembre-se de não usar a vassoura, pois dispersa e levanta poeira”, orienta.

Já as roupas guardadas por muito tempo, com tecidos pesados, devem ser lavadas com sabão neutro. Evite o amaciante ou produtos muito perfumados e, se possível, leve-as para secar ao sol.

Uma vez contaminadas, as crianças que já são acompanhadas por pediatra ou alergista devem manter as medicações.

“É importante não parar de fazer uso dos medicamentos nesse momento e nem se automedicar. Procure o médico de seu filho ou um pronto atendimento de sua confiança”, sugere.

Se o seu filho dormiu bem, mas acordou com o nariz entupido, a pediatra Marina Noia considera aumentar a umidade do ar no ambiente, oferecer água em livre demanda e realizar lavagem nasal com soro fisiológico, além de não levá-lo para a escola nesse dia.

Vale lembrar que em tempos de campanha de vacinação da gripe, é importante imunizar o seu filho.

“Manter a caderneta de vacina atualizada nos deixa ciente de que aquela criança recebe todos os cuidados que precisam da família. O Programa Nacional de Imunização do Brasil é um dos mais completos do mundo. Fique de olho no calendário e vacinem seus pequenos”, finaliza a médica.