A ansiedade é uma realidade que alcança a população mundial. E, segundo um mapeamento da OMS, o Brasil é um dos países mais ansiosos do mundo.

A ansiedade é uma resposta cognitiva, afetiva e comportamental, para as incertezas do que o futuro trará. Geralmente a preocupação se manifesta de maneira desproporcional acarretando o desiquilíbrio no funcionamento normal do indivíduo.

Enfrentamos uma pandemia que impactou a segurança física, mental e econômica, áreas globais que atendem as necessidades básicas de sobrevivência. O aumento desse transtorno acaba sendo resultado inclusive da crise sanitária a qual passamos.

Universitários tem maior pré-disposição para desenvolver um transtorno de ansiedade e as causas são a grande competitividade, excesso de demandas, cobranças e prazos apertados. Resultado da pressão acadêmica, profissional e social, esse público enfrenta o desafio de equilibrar todas essas áreas com a vida social e o lazer.

Afinal de contas existe uma maneira de minimizar os efeitos da ansiedade?

Simone Bortoletto da Cruz, psicopedagoga e especialista em carreiras da ESEG – Faculdade do Grupo Etapa, compartilha algumas dicas e práticas para controlar a ansiedade nos estudos e nas avaliações.

1 – Priorização

Defina quais assuntos são prioridade e estabeleça um cronograma de ações e estudos. As metas devem alcançáveis.

2 – Organização e Planejamento

Uma vez que um dos causadores da ansiedade é a sensação de falta de controle, criar um cronograma de estudos bem estruturado contribui para reduzir a sensação de sobrecarga e consequente descontrole, definir metas diárias e semanais contribui para trazer a segurança de que está tendo avanços e assim impulsionará a manter, foco, evitar a procrastinação e viver no agora, projetando o futuro.

3 – Técnicas de Estudo Eficazes

Aprenda e aplique técnicas de estudo que funcionem para você. Isso pode incluir resumos, mapas mentais, revisões periódicas e prática de exercícios.

4 – Autoconhecimento

É de extrema importância que conheça seus limites para que consiga delimitar ações e equalizar os resultados esperados. Além disso, ao olhar para si, poderá identificar quais são os gatilhos que despertam maior ansiedade, podendo então, intervir antes de que se tornem uma crise.

5 – Técnicas de respiração

Ao perceber sinais de ansiedade, é possível que exercícios de respiração profunda possam acalmar e relaxar, resultado na capacidade de reorganizar pensamentos e voltar as energias para o momento atual.

6 – Alimentação e Hidratação

Manter uma dieta equilibrada e beber água suficiente é essencial para o funcionamento adequado do cérebro. Evite o consumo excessivo de cafeína e alimentos ricos em açúcar.

7 – Atividade Física

A prática regular de exercícios físicos ajuda a liberar endorfinas, melhorando o humor e reduzindo o estresse. Reserve um tempo para se exercitar, mesmo durante os períodos de estudos intensos.

8 – Sono de Qualidade

O sono adequado é crucial para o desempenho acadêmico e o controle da ansiedade. Estabeleça uma rotina de sono consistente para garantir um descanso adequado.

9 – Networking e Apoio

Compartilhe preocupações com colegas e busque apoio de professores e orientadores, essa ação poderá proporcionar um senso de pertencimento e aceitação que trará o alívio da ansiedade.

“A ansiedade faz parte da jornada acadêmica, mas não deve dominar o processo de aprendizado. Com a prática regular dessas técnicas e o apoio adequado, os estudantes podem enfrentar os desafios acadêmicos com maior segurança”, finaliza Simone.