O tumor é o terceiro mais frequente na população feminina e a quarta maior causa de morte de mulheres por câncer; Índices indicam 17 mil novos casos em 2023

O mês de março, além de celebrar o Dia Internacional da Mulher, é dedicado à campanha de prevenção e combate do câncer de colo uterino, denominado como Março Lilás. Segundo o Instituto Nacional de Câncer (INCA), o tumor é o terceiro mais frequente na população feminina e a quarta maior causa de morte de mulheres por câncer no Brasil.

Nos últimos dois anos o câncer de colo de útero se manteve relativamente estável. Porém, de acordo com o novo levantamento da INCA, em 2020, as estimativas apontavam para 16.600 novos casos por ano, já em 2023, os índices indicam a marca de 17 mil, um aumento de 2%.

Em números relativos houve um decréscimo no número de incidências. Em 2020 eram 15 casos a cada 100 mil mulheres e para 2023 é estimado 13 casos para cada grupo de 100 mil mulheres. A vacina de HPV e as campanhas de rastreamento e detecção precoce pelo exame de Papanicolau, são os fatores que auxiliaram na diminuição.

Embora 58% das empresas tenham campanhas de prevenção ao câncer e divulguem informações sobre a doença, as práticas tendem a ser genéricas e desarticuladas, tanto que só 9% têm ações estruturadas de prevenção, acompanhamento e tratamento. Entre os 20% que de fato possuem programas na área de saúde, a oferta se concentra em serviços não diretamente relacionados ao câncer, como check-ups (73%) e educação para a saúde (72%).

Como explica o empresário e CEO da 4Life Prime Saúde Ocupacional, Alex Araujo, no atual cenário, o número de empresas com ações efetivas está abaixo do recomendável. Hoje, há poucas ações voltadas para colaboradores que sofrem com a doença.

“Se formos analisar, grande parte das companhias só realiza palestras e ações efetivas de conscientização em meses como Outubro Rosa, Novembro Azul e Março Lilás, já aclamados pela preocupação. Fora essas datas, a preocupação se esvai em meio às atividades e ao estresse diário”, destaca Araujo.

As regiões em que o câncer do colo do útero é o segundo mais incidente é a Norte (20,48/100 mil) e a Nordeste (17,59/100 mil), seguido do Centro-Oeste (16,66/100 mil), Sul (14,55/100 mil) e Sudeste (12,93/100 mil).

A Organização Mundial da Saúde (OMS) tem como meta diminuir a incidência da doença na humanidade nas próximas décadas através da vacinação maciça contra o HPV, e da proliferação das medidas de prevenção. Segundo o Ministério da Saúde, hoje apenas 4 a cada 10 meninas, e 6 a cada 10 meninos, estão protegidas com as duas doses do HPV no Brasil.

“Devemos aproveitar a campanha do Março Lilás para conscientizar as mulheres da importância do exame preventivo (papanicolau) e ultrassonografia, uma vez que o câncer de colo de útero é a 4 maior causa de mortes entre mulheres. O diagnóstico precoce é de extrema importância , através de consultas regulares ao ginecologista em conjunto a hábitos saudáveis”, comenta o Doutor Rodrigo de Carli, médico e consultor técnico da Securecard, cartão de multi benefícios que oferece acesso a serviços privados de saúde.