Em 14 de março, celebramos o Dia Mundial do Rim, e neste ano, a campanha está dedicada à promoção da equidade no acesso ao diagnóstico e tratamento da Doença Renal Crônica (DRC). A Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial (SBPC/ML) une forças com a Sociedade Brasileira de Nefrologia (SBN) nesse empenho.

A campanha de 2024 busca ampliar o acesso ao exame de creatinina, um procedimento acessível, custando em média R$ 11, e coberto por planos de saúde. Maria Gabriela, médica patologista clínica e especialista da SBPC/ML, explica que a dosagem de creatinina pode ser determinante para sinalizar problemas renais em estágios iniciais.

“A avaliação da creatinina no sangue é um indicador crucial da saúde renal e para a progressão da doença crônica renal, que afeta mais de 150 mil pessoas no Brasil, reforçou, acrescentando que esse é um exemplo de como a patologia clínica tem papel essencial no diagnóstico precoce de doenças, especialmente da doença renal, notoriamente silenciosa e raramente manifesta sinais antes de atingir estágios avançados.

De acordo com Maria Gabriela, embora existam opções mais precisas, como o teste de Cistatina C, a medição de creatinina é uma opção acessível que deve ser solicitada anualmente por profissionais de saúde em check-ups regulares. “Este simples hábito pode fazer a diferença entre a detecção precoce e a evolução silenciosa da doença renal”, ressaltou a patologista clínica da SBPC/ML.

Monitoramento Renal e Diagnóstico Precoce

O acompanhamento da função renal é crucial para identificar precocemente possíveis problemas. Um aumento nos níveis de creatinina no sangue indica dificuldade dos rins em filtrar essa substância muscular, sinalizando a necessidade de exames adicionais para o diagnóstico definitivo da doença renal crônica, considerando-se elevado, em geral, quando ultrapassa 1,2mg/dL em homens e 1,0mg/dL em mulheres – este valor pode variar ligeiramente entre os laboratórios.

Além da creatinina, que reflete a taxa de filtração glomerular estimada, a ureia é outro exame importante, sendo resultados anormais frequentemente os primeiros indícios de uma doença renal. Estes dois exames são dosados no sangue, em uma simples coleta venosa, e não requerem jejum para sua realização. Para completar o rastreio de doença renal na população em geral, recomenda-se também a análise da urina para verificar a presença de hemácias, leucócitos ou proteínas. Em pacientes com doenças que sabidamente predispõem a doença renal, como diabetes ou hipertensão arterial, a pesquisa anual de microalbuminúria é essencial para detectar lesões renais iniciais.

O acompanhamento periódico dos níveis sanguíneos de ureia e creatinina é vital para pacientes com lesão renal, auxiliando no monitoramento da evolução da doença. Doenças renais também podem impactar os níveis de cálcio, fósforo e eletrólitos no sangue e na urina. O hemograma avalia a anemia decorrente da falta de eritropoietina, hormônio renal estimulador da produção de hemácias. A proteinúria é utilizada para avaliar o tratamento na síndrome nefrótica, enquanto o paratormônio (PTH) pode estar elevado em doenças renais.

Nestes casos, é utilizado o clearance de creatinina, ou depuração da creatinina, um exame utilizado para o monitoramento mais preciso da função renal – e é a dosagem é realizada no sangue e na urina. Este tipo de coleta de urina exige alguns cuidados: higienização adequada, descarte da primeira urina do dia e a coleta de amostras ao longo de 24 horas, armazenadas em um frasco fornecido pelo laboratório. Em alguns casos, o especialista pode orientar restrições alimentares no dia anterior ao ciclo de coleta.

Evento

Com o propósito de conscientizar sobre os riscos da DRC e sublinhar a importância do diagnóstico precoce e do acesso ao tratamento renal, a médica patologista clínica e coordenadora do Comitê Pré/Pós-analítico da SBPC/ML, Maria Gabriela de Lucca, conduzirá uma live, às 19h30, no próprio Dia Mundial do Rim, em conjunto com o médico nefrologista João Fernando Picollo.

A live apresentará discussões valiosas sobre a saúde dos rins, além de reforçar a conscientização sobre a relevância dos exames para monitoramento da função renal. A dosagem de creatinina, quando alta, indica que os rins podem não estar funcionando adequadamente, permitindo a identificação precoce de possíveis problemas.

Sobre a SBPC/ML: A Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial, fundada em 1944, é uma associação dedicada ao aprimoramento científico em Medicina Laboratorial. Com um quadro diversificado de membros, a SBPC/ML busca promover o desenvolvimento contínuo do setor, melhorando a ciência, tecnologia e regulação para qualificar a assistência à saúde no Brasil. Médicos, profissionais de laboratórios e empresas do setor se unem sob o propósito ético-científico da SBPC/ML.

Sobre a SBPC/ML – A Sociedade Brasileira de Patologia Clínica e Medicina Laboratorial é uma associação de direito privado para fins não econômicos, fundada em 31 de Maio de 1944. Tem como finalidades congregar Médicos, portadores do Título de Especialista em Patologia Clínica/Medicina Laboratorial e Médicos de outras especialidades, regularmente inscritos nos seus respectivos Conselhos Regionais de Medicina, e pessoas físicas e jurídicas que, direta ou indiretamente, estejam ligados à Patologia Clínica/Medicina Laboratorial, e estimular sempre o engrandecimento da Especialidade dentro dos padrões ético-científicos. Entre associados estão médicos patologistas clínicos e de outras especialidades (como farmacêuticos-bioquímicos, biomédicos, biólogos, técnicos e outros profissionais de laboratórios clínicos, estudantes de nível universitário e nível médio). Também podem se associar laboratórios clínicos e empresas fabricantes e distribuidoras de equipamentos, produtos e serviços para laboratórios. Ao longo das últimas décadas a SBPC/ML tem promovido o aperfeiçoamento científico em Medicina Laboratorial, buscando a melhoria contínua dos processos, evolução da ciência, tecnologia e da regulação do setor, com o objetivo principal de qualificar de forma permanente a assistência à saúde do brasileiro.