O alerta é estratégico porque as taxas de imunização vêm caindo em todo o mundo de forma acentuada. Para ampliar o acesso à vacina, facilitar a logística de imunização e melhorar a cobertura vacinal, a Organização Mundial da Saúde acaba de recomendar esquema alternativo com dose única da vacina.

Às vésperas do Dia Mundial de Prevenção do Câncer de Colo de Útero, celebrado em  26 de março, especialistas reforçam a importância dos métodos de prevenção deste tipo de tumor: o sexo seguro e a vacinação contra o papilomavírus humano. Conhecido por HPV, o vírus tem transmissão sexual e provoca mais de 95% dos casos de câncer uterino. “O microrganismo induz a mutações das células no colo uterino, fazendo com que cresçam de forma desordenada”, explica o médico Pedro Henrique Souza, da Oncologia D’Or.

Apesar da importância da proteção por vacina, as taxas de imunização vêm caindo em todo o mundo. De 2019 a 2021, a cobertura vacinal da primeira dose caiu 25% para 15%. Para reverter o quadro, a Organização Mundial da Saúde (OMS)1 recomendou recentemente a administração da vacina em dose única, como um esquema alternativo, para meninas, adolescentes e jovens entre 9 e 20 anos. A OMS se baseia em evidências surgidas nos últimos anos, mostrando que este esquema tem eficácia comparável aos regimes de duas ou três doses.

No Brasil, a vacina2 é administrada na rede pública em duas doses  para meninos e meninas entre 9 e 14 anos, com intervalo de seis meses. Para adolescentes, maiores de 15 anos, que não foram previamente imunizados, o calendário vacinal prevê três doses. O Programa Nacional de Imunização (PNI) oferece ainda vacinação para homens e mulheres até 46 anos, que convivem com o HIV, realizaram transplantes ou estão em tratamento contra o câncer. A vacina está disponível na rede privada de imunização para pessoas entre 9 e 59 anos, a critério médico.

“A recomendação da OMS é excelente porque vai ampliar o acesso à vacina, simplificar o esquema vacinal e melhorar a cobertura vacinal”, afirma o médico Pedro Henrique Souza. “É possível que outros tumores relacionados ao HPV, como o de pênis, orofaringe e vulva, também se beneficiem com esta nova estratégia de vacinação”, complementa o médico Eduardo Paulino, da Oncologia D’Or.

O câncer de colo uterino é o quarto mais frequente em mulheres, ficando atrás apenas dos cânceres de pele, mama e intestino. O Instituto Nacional do Câncer (Inca)3  estima que em 2023 sejam diagnosticados 17.010 casos. “Infelizmente a maioria dos tumores  no Brasil são diagnosticados com a doença localmente avançada”, explica o médico Eduardo Paulino.

O HPV

Composto por mais de 200 subtipos, o HPV divide-se em grupos de baixo e alto risco. Os subtipos de baixo risco não provocam câncer, mas podem causar verrugas nos órgãos genitais, ânus, boca e garganta. Dos 14 subtipos de alto risco, dois deles – 16 e 18 – respondem por sete a cada dez casos de câncer associados a esse vírus.

A infecção por HPV é muito comum, mas a maioria  é combatida pelo sistema imunológico. “Apenas em um pequeno porcentual de pessoas, o  HPV de alto risco persiste por muitos anos no organismo, levando a alterações celulares, que resultam em câncer, em especial no  colo uterino, vulva, ânus, pênis e boca,  principalmente língua e orofaringe”, explica o oncologista Cláudio Calazan, da Oncologia D’Or.  A contaminação pode ser evitada pela vacinação e pelo sexo seguro. O Ministério da Saúde4 recomenda a realização regular do exame Papanicolau em mulheres entre 25 e 64 anos.

A doença e o  tratamento 

Os sintomas mais comuns do câncer do colo uterino são sangramento e dor durante relação sexual, sendo frequentemente assintomático nos casos iniciais. Nos casos detectados muito precocemente, o tratamento consiste em cirurgia, com a retirada somente do colo uterino.  Segundo o oncologista Cláudio Calazan, na maioria dos casos é necessária a remoção do útero e do colo. Em quadros mais avançados, mas com o tumor ainda localizado no útero e tecidos vizinhos, recomenda-se a radioterapia e a quimioterapia. Na doença com metástase, é realizada a quimioterapia.

Em 2022, a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou dois novos imunoterápicos para o câncer uterino. Pembrolizumabe é recomendado para casos de metástase ou recidiva, após cirurgia, quimioterapia e radioterapia. O tratamento é associado à quimioterapia. Cemiplimabe  é indicado para mulheres com câncer metastático que avançou, após tratamento com quimioterapia. “Esses medicamentos abrem novas perspectivas, oferecendo maior controle da doença quando associados à quimioterapia”, concluiu o médico Pedro Henrique Souza.

Referências

  1. Organização Mundial da Saúde. Disponível em https://www.who.int/news/item/20-12-2022-WHO-updates-recommendations-on-HPV-vaccination-schedule
  2. Ministério da Saúde. Disponível em https://www.gov.br/saude/pt-br/assuntos/saude-de-a-a-z/h/hpv
  3. Instituto Nacional do Câncer (Inca). Disponível em https://www.gov.br/inca/pt-br/assuntos/cancer/numeros/estimativa
  4. Ministério da Saúde. Disponível aqui